terça-feira, outubro 7

                   Pedido de namoro no inicio do século xx
Hoje ao entrar no facebook vi este cartão publicado por uma amiga.
                                         Achei uma delicia!

Ao pesquisar um pouco descobri que se trata de um cartão do inicio do seculo xx e este era um dos truques para o rapaz pedir namoro à rapariga.enviava este  cartão e ficava a aguardar a sua reação.
                         Este cartão tinha as instruções e o texto:

O escritor Angolano Viriato da Cruz escreveu o poema "Namoro"onde fala destes cartões.
                                   Namoro 

Mandei-lhe uma carta
em papel perfumado
e com letra bonita
dizia ela tinha
um sorriso luminoso
tão triste e gaiato
como o sol de Novembro
brincando de artista
nas acácias floridas
 na fímbria do mar

Sua pele macia
era suma-uma
sua pele macia
cheirando a rosas
seus seios laranja
laranja do Loge
eu mandei-lhe essa carta
e ela disse que não

Mandei-lhe um cartão
que o amigo maninho tipografou
'por ti sofre o meu coração'
num canto 'sim'
noutro canto 'não'
e ela o canto do 'não'
dobrou

Mandei-lhe um recado
pela Zefa do sete
pedindo e rogando
de joelhos no chão
pela Sra do Cabo
pela Sta Efigénia
me desse a ventura
do seu namoro
e ela disse que não

Mandei à Vó Xica
quimbanda de fama
a areia da marca
que o seu pé deixou
para que fizesse um feitiço
bem forte e seguro
e dele nascesse
um amor como o meu
e o feitiço falhou

Andei barbado
sujo e descalço
como um monangamba
procuraram por mim
não viu ai
não viu ai não viu Benjamim
e perdido me deram
no morro da Samba

Para me distrair levaram-me ao baile
do Sr. Januário
mas ela lá estava
num canto a rir
contando o meu caso
às moças mais lindas
do bairro operário

Tocaram a rumba
e dancei com ela
e num passo maluco
voamos na sala
qual uma estrela
riscando o céu
e a malta gritou
'Aí Benjamim'

Olhei-a nos olhos
sorriu para mim
pedi-lhe um beijo
lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá
E ela disse que sim
Sergio Godinho gravou este poema,fica aqui o video para poderem apreciar.
Eu gosto muito!

Letra: Viriato Cruz
Musica :Fausto
Intérprete: Sérgio Godinho

11 comentários:

  1. Tão linda, tão pura, tão genuína a demonstração de afetos nesta época.

    Beijinhos Natália

    Lassalete Cunha

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito e romântico Lassalete.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Oi Natália,
    Antigamente havia muito romantismo, mas também muita severidade principalmente para as mulheres. Eram umas bobas, se eu tivesse nascido no tempo que os machões batiam nas mulheres eu os enfrentaria.
    Assisti o vídeo e adoro o sotaque português.
    Dê um pulo no meu blog infantil: Mundo dos Inocentes, você vai adorar, fiz uma poesia nova e bem engraçada no final. Tem banner no Lua Singular do lado direito.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  4. Oi tia Natália, nós do Mundo dos Inocentes agradecemos seu carinho. Quando quiser rir ou sonhar volte aqui.
    Beijinhos
    Mundo dos Inocentes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Dorli.Voltarei sim.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Linda declaração de amor, Natália
    Amei a música e a letra.
    Obrigada pelo carinho e participação doce lá no blog.
    Tenha uma abençoada semana, querida
    Beijinhos carinhosos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderEliminar
  6. Boa noite Natalia, como eram lindos e formais os namoros de antigamente!
    Quando comecei a ler o poema fui-me lembrando da música e como é bonita!
    E o Sérgio Godinho o meu preferido!
    Um beijinho e muito obrigada por partilhar!
    Ailime

    ResponderEliminar
  7. Natália, que beleza!Adorei ver! estou no aeroporto, esperando nosso voo, aproveitei pora me conectar e valeu! bjs em trânsito,sr chica

    ResponderEliminar
  8. Um belo resgate.
    Lembro do meu pai contar sobre estqs cartas;
    Abraços

    ResponderEliminar
  9. Conhecia por defeito profissional esses cartões que acho o máximo...quanto à música adoro!!!!!
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar

Amo quem chega trazendo Carinho, Sorrisos, Alegria e Paz para a nossa Vida.